Análise Mindhunter E1:T1

//Análise Mindhunter E1:T1

Essa é uma serie inspirada no livro “Mindhunter: Inside the FBI’s Elite Serial Crime Unit”, que foi lançado pelos ex-agentes John Douglas e Mark Olshaker em 1996.

A série se foca no ano em que Douglas passou perseguindo serial killers e estupradores, afim de registrar e entender detalhadamente seus comportamentos e ações.

A historia toda gira em torno dos dois agentes do FBI Holden Ford (Jonathan Gross) 29 anos e Bill Tench (Hold McCallany), se passa em diversos lugares dos EUA no ano de 1977.

Ambos os agentes tem o ambicioso sonho de desenvolver a primeira pesquisa a respeito de mentes assassinas.

No entanto para conseguir informações a respeito destas pessoas eles precisam buscar diretamente da fonte, sendo assim obrigados a ganharem a confiança de assassinos já presos.

Nessa busca pela pesquisa ambos se deparam com resistências da parte de outros agentes e até mesmo chefes dentro do FBI pois, para estes, os assassinos eram apenas loucos, que não tinham importância pra nada e que não valiam a pena serem estudados.

Porém na mentalidade de Ford e Tench entender quais eram as motivações, e o que se passava dentro da cabeça dos assassinos seria importantíssimo para evitar muitas outras mortes.

***ALERTA DE SPOILER CASO NÃO QUEIRA SABER O QUE ACONTECE NO EPISÓDIO 1 TEMPORADA 1 DE MINDHUNTER NÃO CONTINUE A LEITURA! ***

A primeira cena da serie pode nos chocar e confundir um pouco.

Somos arremessados para uma negociação de reféns onde temos o sequestrador todo aflito e nervoso, se expondo continuamente aos policias e com uma mulher loura como refém.

Já nessa confusão nosso personagem Holden Ford aparece para facilitar a negociação.

Com toda a calma do mundo ele tenta deixar com que o criminoso fale o que deseja sem pressioná-lo. O único desejo do homem é falar com sua esposa, que “coincidentemente” também é loura no mesmo tom que a refém na mão dele.

O sequestrador perde o controle e da um tiro na própria cabeça.

A entrada da serie começa. Ao som de uma musica melancólica temos uma pessoa montando um aparelho de gravação e enquanto isso aparecem flashes com imagens de vitimas assassinadas.

Após a entrada da serie temos Ford chateado com a morte do sequestrador, seu chefe o transfere para dar aulas sobre negociações com reféns para agentes do FBI.

Holden começa a perceber que mesmo seguindo a risca as regras ele não fora capaz de salvar um mero sequestrador e entende que algo não está funcionando como deveria, eles não eram capazes de explicar o real sentido daquele acontecimento.

Será que as mesmas condutas intolerantes, preconceituosas e rudimentares de sempre precisariam ser aprimoradas? Assim entramos também em um dilema: “se nasce um criminoso ou torna-se um criminoso?”

“Se nasce um criminoso ou torna-se um criminoso?” – A Teoria do Bom Selvagem de Rousseau

A respeito deste ultimo questionamento mencionado é cabível citarmos a Teoria do Bom Selvagem de Rousseau.

Nesse pensamento o filósofo nos diz que todo homem é bom em sua essência porem com o surgimento do Estado houve a introdução do regime de propriedade, o que tornou o Homem perigoso por conta de toda uma imposição de servidão e leis que privilegiam os mais poderosos.

Para ele o Estado não constrói uma civilização mas sim a barbárie.

Na opinião de Rousseau deveria haver um equilíbrio entre capital e trabalho, caso contrario a desigualdade começa a surgir, junto com coletividades de pessoas perigosas.

E o maior desafio para Ford é fazer com que as pessoas deixem de enxergar os criminosos como apenas malucos que, nasceram assim e continuarão sendo assim pra sempre e os vejam como um efeito das coisas negativas que temos dentro de uma sociedade não igualitária que os transformou nisso.

Mindhunter

O gatilho

Em certa noite Ford conhece uma mulher (Debbie) em um bar bem no dia do aniversário dela.

Ela possui mestrado em sociologia, e a partir do primeiro diálogo dos dois já são apresentados certos questionamentos, por parte dela, que o motivam a pensar em fazer as coisas de modo diferente do que já se tinha como “padrão”.

O professor começa a enxergar que os criminosos tem seu lado psicológico que é possível de ser compreendido e que suas atitudes poderiam ser apenas reflexos de uma sociedade “doente”.

Pode se dizer que esta menina foi a principal motivadora na mudança de atitude que faz com que realmente comecemos o desenrolar da nossa historia.

Uma parceria se forma

Em um almoço dentro da agencia do FBI surge Bill Tench, um agente já bem mais velho que Ford e com muita experiência na área de ciências comportamentais.

Bill pede para sentar-se pois acredita que ele e Ford possam se ajudar na medida em que  Holden está em busca de aprender mais sobre assassinos e métodos novos de abordagens.

O agente Tench o convida para participar de um projeto que ele já faz um tempo que consiste em viajar pelo país ensinando sobre ciência comportamental em diversas delegacias. A partir dai está iniciada a jornada dos dois personagens.

medo inconsciente

Lorem, primeiro de tudo, ipsum, também, quem somos, outro, além disso, sit, finalmente, amet, porque, consectetur, assim.

Ut, do mesmo modo, enim, enquanto, ad, em contraste, veniam.

medo inconsciente

Duis, parece que, aute, talvez, provavelmente, irure, quase, acima de tudo, in.

Lorem, primeiro de tudo, ipsum, também, quem somos, outro, além disso, sit, finalmente, amet, porque, consectetur, assim.

Ut, do mesmo modo, enim, enquanto, ad, em contraste, veniam.

Duis, parece que, aute, talvez, provavelmente, irure, quase, acima de tudo, in.

medo inconsciente

Lorem, primeiro de tudo, ipsum, também, quem somos, outro, além disso, sit, finalmente, amet, porque, consectetur, assim.

Ut, do mesmo modo, enim, enquanto, ad, em contraste, veniam.

Duis, parece que, aute, talvez, provavelmente, irure, quase, medo inconsciente, acima de tudo, in.

Lorem, primeiro de tudo, ipsum, também, quem somos, outro, além disso, sit, finalmente, amet, porque, consectetur, assim.

Ut, do mesmo modo, enim, enquanto, ad, em contraste, veniam.

Duis, parece que, aute, talvez, provavelmente, irure, quase, acima de tudo, in.

medo inconsciente

Lorem, primeiro de tudo, ipsum, também, quem somos, outro, além disso, sit, finalmente, amet, porque, consectetur, assim.

Ut, do mesmo modo, enim, enquanto, ad, em contraste, veniam.

Duis, parece que, aute, talvez, provavelmente, irure, quase, medo inconsciente, acima de tudo, in.

Lorem, primeiro de tudo, ipsum, também, quem somos, outro, além disso, sit, finalmente, amet, porque, consectetur, assim.

Ut, do mesmo modo, enim, enquanto, ad, em contraste, veniam.

Duis, parece que, aute, talvez, provavelmente, irure, quase, medo inconsciente, acima de tudo, in.

Lorem, primeiro de tudo, ipsum, também, quem somos, outro, além disso, sit, finalmente, amet, porque, consectetur, assim.

Ut, do mesmo modo, enim, enquanto, ad, em contraste, veniam.

medo inconsciente

Duis, parece que, aute, talvez, provavelmente, irure, acima de tudo, in.

Lorem, primeiro de tudo, ipsum, também, quem somos, outro, além disso, sit, finalmente, amet, porque, consectetur, assim.

Por |2018-07-05T10:25:17+00:001 fevereiro 2018|Análise|

Sobre o Autor:

Presidente do Instituto Loureiro de Desenvolvimento Humano e da Novah Agência de Comunicação. Desenvolvedor humano, coach, mentor, professor, escritor, matemático, terapeuta corporal ayurvédico e tântrico, autor e palestrante. Pesquisador e um dos pioneiros da aplicação integrada de técnicas e conceitos de Pedagogia, Coaching, Mentoring e Ayurveda no desenvolvimento de pessoas. Atuou durante mais de 20 anos como professor e palestrante, tendo desenvolvido milhares de pessoas ao longo desse período. Cursou Engenharia Civil, Bacharelado em Estatística, Licenciatura de Matemática e Marketing com especializações nas áreas de Psicologia, Educação, Marketing e Astronomia, pelas instituições USP, FGV, FAAP, UNIP. Violonista clássico, geek e colecionador de livros e documentos raros.

Deixe um Comentário

CONVERSE AGORA